terça-feira, 2 de setembro de 2014

MALMEQUER ESQUECIDO



Nas auroras azuis
de meu pensamento
Visto-me de infinitos
No gotejar do silêncio
Solto meu pensamento
Vôo no meu corcel alado
Num ardor inusitado
Penso em ti...
Quero-te ao meu lado
Num ardor ousado.
Desfaz diferenças
que de longe vejo
Por distâncias imprecisas.

E Eu teimo...
É o sonho que afago
Nas manhãs ensolaradas
Na liberdade de meu pensamento
Que não arrefece nem obedece
Arranca-me deste solo de angústia
Não permiti que eu seja
Um malmequer esquecido
Lê cada folha de mim
Para que eu seja
Uma flor no teu jardim.

Vany Campos