terça-feira, 2 de setembro de 2014

Ritos



Adormeci na alma das coisas
Voei no espaço com sopro do vento
Mergulhei nas águas dos rios tristes
Divaguei na nudez das montanhas.

Suguei a seiva das plantas
Tenho a alma do bem
Ébria de alegrias e ventura
Recolhi sabores com odores de nada.

Fiz versos para avivar a memória
Criei ritos entre línguas cansadas
Fiz o vento embalar árvores despidas
Sorrio com os lábios dos FELIZES.

Vany Campos