terça-feira, 2 de setembro de 2014

Dos Silêncios



As vozes da multidão soam
Sussurram silêncios longos
Lembranças de um passado
Por onde se andasse alado.

Imagens atravessam as paredes
Sorrisos disfarçados escondidos
Deleitando saudade no relógio
Na sobrevida das memórias.

O pensamento lastima-se
Nos hiatos da hora insistem
Nas lembranças das eras
Recordações de emoções passadas.

Acordam as manhãs do tempo
Dormidas nos corações dos homens
Onde existe um sopro de primavera
Que afaga os cabelos da aurora

Vany Campos